Olha quem está falando, quer dizer, voltando. =D

19 de março de 2007

Presepadas de um redator (Publicitário)

14h – Linda tarde de sol

- Blá, blá, blá, blá e blá!
- Legal, e quais mídias devem ser criadas?
- Um banner, duas faixas e um manual, ok?
- Ah, tranqüilo, e o prazo?
- Para hoje.
- Rááááá, então tem tempo, de’xa comigo.

O atendimento e eu levantamos, cada um sai para seu departamento. Abro a porta da Criação, com mil idéias na cabeça, sento na minha cadeira abóbora e começo a riscar o papel.

15h – Tarde maravilhosa

Finalmente terminei essas peças, todas revisadas e bonitinhas, mando para o Atendimento que aprova, então envio para o Autista, para que finalize com a arte. TRANQUILO dou continuidade no meu tráfego.


16h – Tarde incrivelmente linda

As peças chegam para que eu envie à revisora, ok. Peça enviada e revisada, nenhum erro grave, apenas uma pontuação que sumiu. Corrigido e enviado de novo ao Atendimento.
Maravilha, expediente acabando e eu ansioso para ver uma super palestra que acontecerá mais tarde, essa que, eu mesmo organizei a turma, horário, local, etecetera!


17h30 – O sol se deita aos poucos...

17h58 – dois minutos!

Como se eu não esperasse, entra o atendimento na sala de criação todo afobado, instantaneamente prevejo o que ele irá falar e o que eu perderei na palestra, então, depois de segundos que pareciam horas para qualquer humano ele diz:

Alex, o cliente quer uma alteração.
- Ah, menos mal, uma alteração é simples! O que é?
- O c-o-n-c-e-i-t-o, CONCEITO, con-ce-i-to! Eito, eito, eito!

Aquela palavra ecoou em meu ouvido e surrou meu labirinto, será que o cliente não tem família? Maldito seja (Amém)

- Put* que pariu! – Saiu cuspida a expressão que não conseguiu exprimir nem a metade da raiva que estava sentindo.
- Infelizmente vai para a gráfica hoje, e agora?

Aquele “e agora?” foi lançado sobre mim como uma chantagem, soou algo como “não me deixe na mão”.
Restou-me pegar o telefone e dizer aos meus amigos que eu não iria mais na palestra que eu idealizei e que nunca mais aconteceria no Vale do Paraíba, ainda mais de graça.

Ao discar afundei cada botão daquele telefone como se estivesse furando o olho do meu pior inimigo.

- Alô.
- Fala aí, aqui é o Alex, to ligando para dizer que não vou mais.
- Ahhh, que frescura meu, por que?
- Vou ter que trabalhar
- De novo?
- É.
- Que b****
- Eu sei.
- Beleza, a gente traz uma lembrancinha para você.
- Flw.
- Flw.


18h01 – Fim de tarde mais horrível que já vi

Sento eu naquela maldita cadeira abóbora e tento me concentrar, desviando-me do ódio que estava sentindo. A ponta do lápis não foi perdoada, melhor escrever com caneta. Nenhuma idéia surge, imagino apenas a minha pobre pessoa em futuras conversas com psicólogos.
Do nada, acontece um paralax... e a idéia que é bom nada.

20h – Fome + Raiva + Cansaço = Hora Extra

TERMINEI. TÉRMINO.TERMINADO. Ao sair pelo portão toca meu celular:

- Alex!
- Pô cara, você não sabe o que está perdendo, deveria ter vin...
- Tu, tu, tu....


Um homem é feito de grandes amigos... malditos!

2 opiniões:

Anônimo disse...

Oi
Que chato mano, eu tbm já perdi as coisas mas não porque trampo, pq nem emprego tenho, mas perdi por preguiça msm, e a sauna gay a gente vê depois tá?
beijinhos!

Jorginho!!*

Alex disse...

Curti a história! é bem isso mesmo que acontece... hehehe
abraços chará!

Postar um comentário

O seu comentário é muito importante. Diga para todos o que você pensa! Ou melhor escreva.
Eu agradeço o comentário, se você não me xingou (e nenhuma outra pessoa de minha família), é claro.

Volte sempre!